Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

16 de ago de 2009

A Cegueira da Visão (II)

O que Importa a Realidade?

Em 1972, Gina Pane criou uma instalação tendo a cor branca como tema, chamava-se O Branco não Existe. Vestida de branco, ela começou a se cortar com uma gilete até que sua roupa estivesse manchada de sangue. Interrompeu a ação para jogar com uma bola de tênis. Então se virou para a platéia e aproximou a gilete do rosto. A tensão explodiu quando cortou as bochechas. A platéia gritava, “não, não, não o rosto, não!“. Gina pretendia tocar na questão da estética pessoal. Para ela, “o rosto é tabu, o centro da estética humana, o único lugar que retém um poder narcisista” (1).

Possivelmente, muitos de nossos problemas não existiriam se fossemos cegos de nascença. Se não soubéssemos, desde sempre, o que existe de tendencioso, preconceituoso e de manipulação da auto-estima no olhar que temos em relação a nossos corpos, talvez (só talvez) fossemos mais... felizes (ou, pelo menos, mais interessados naquilo que em princípio é o que importa: nossa humanidade).

No mundo superficial da imagem que nos rodeia como uma rede gigante, uma “pedagogia da fuga de si mesmo” se apresenta como uma “ética negativa do bem viver”. Uma rede gigante que nos apanha sem que percebamos e, quando damos por nós, estamos tão presos nesse universo de autonegação que nos sentimos incapazes de romper o ciclo vicioso patrocinado pelo mundo das aparências e seus fetiches.

Muitas pessoas que possuem o dom da visão tendem a utilizá-la de forma equivocada. De fato, algumas pessoas não enxergam aquilo que vêem em seus corpos. Por uma ironia do destino, o ponto que centraliza nossa identidade (o rosto) só é visível por nós mesmos através de um espelho. Quando só nos preocupamos em nos ver por fora, curiosamente não conseguimos fazer isso senão com a ajuda de algo que está fora de nós: um espelho.

No distúrbio neurológico chamado prosopagnosia, o indivíduo é incapaz de reconhecer rostos, mesmo de amigos e familiares. Essa é uma patologia rara; menos rara é a que nos faz acreditar que somos aquele corpo-imagem (sem um corpo físico) que vemos no espelho e não aquele corpo físico que é o referente material dele. Resultado: o corpo físico deverá a qualquer custo se adaptar ao corpo-imagem; só que o corpo físico adoece, enquanto o corpo-imagem nada sofre. Nesse contexto, o corpo físico passa a ser o inimigo número um dessa imagem que não tem nenhum compromisso com a realidade.

As palavras são as ferramentas da artista norte-americana Jenny Holzer. Ela costuma inserir frases em outdoors, painéis eletrônicos e até mesmo camisinhas, incitando o público da cidade a refletir sobre si próprio a partir delas. Holzer trabalha o potencial subversivo das palavras, mostrando que nem tudo que vemos fora de nós é nocivo para nosso autoconhecimento. As palavras estão fora de nós, mas se as arrumamos de uma determinada maneira em certas frases, teoricamente elas são capazes de nos levar a refletir uma auto-imagem mais coerente. Além disso, as palavras possuem uma dimensão aural (elas não são apenas visíveis, são audíveis também), o que significa que não estamos presos à visão. Isso é importante na medida em que, além de não conseguirmos mais nos enxergar, também não conseguimos mais nos ouvir. Um de seus trabalhos mais conhecidos ostenta a seguinte frase: “proteja-me do que eu quero”.

Nota:

1. WARR, Tracey; JONES, Amélia. Artist’s Body. London: Phaidon Press Ltd, 2000. P. 121.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.