Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

23 de fev de 2011

A Mulher Molusco e a Moralidade Ilusória



Algumas pessoas
 acreditam que para
c
onhecer o espírito
norte-americano
temos que assistir
filmes de faroeste
...
.

Quando Dois Mais Dois é Igual a Cinco

Algumas pessoas acreditam que, indiretamente, monstros, répteis e aliens nas telas da televisão e do cinema seriam projeções da sexualidade humana. São estes monstros que o puritanismo pretende manter fora dos corpos. A sexualidade feminina dos monstros não estaria num erotismo vulgar, mas na figura de um negativo. Na opinião de Alexandre Hougron, eliminar monstros e alienígenas dos filmes de ficção científica e horror equivalem a uma castração. O protestante puritano norte-americano só poderá deixar ver o monstro (da sexualidade) em função da maternidade. Desta forma, sua mulher jovem e loura continuará casta – a concepção a purificará. A loura constitui um arquétipo de “pureza puritana” e de virgindade (1). Mas em Alien, o Oitavo Passageiro (Alien, 1979), nossa heroína é morena! O que isso poderia significar? Bem, talvez a opção pela morena se possa explicar pelos filmes da seqüência: ela acaba virando a mãe de um dos monstros-moluscos-gosmentos. Não esqueçamos que no primeiro filme temos uma loura. É a astronauta Lambert, que tem um temperamento passivo e hesitante. Medrosa, ela corresponde ao estereótipo puritano da loura: não serve para agir, somente para reproduzir. Morrerá, sugestivamente, com a penetração do tentáculo do monstro entre as pernas – sendo punida com a morte por permitir uma penetração cujo objetivo não é reprodução. (imagem acima, o monstro faz mais uma vítima na tubulação de ar, um lugar que se assemelha a um canal vaginal; abaixo, à direita, as entradas na vane alienígena lembram vaginas)


.
Feministas
norte-americanas
id
entificam a criatura de
Alien com a mulher-ogro
castradora dos mitos
arcaicos
(2)



Outra categoria sexual da ficção científica são os aliens moluscos. São bissexuais ou tem um sexo indistinto, encarnando pulsões ambivalentes. Feministas americanas identificam a criatura de Alien com a mulher – castradora dos mitos arcaicos. Todas essas leituras nos levam a uma construção de natureza histérica, fruto de um simbolismo cristão (3). Hougron tem uma opinião negativa inclusive em relação ao próprio H.R. Giger. Criador do monstro, Giger estaria demonstrando com seus desenhos de pesadelo e penetrações monstruosas como somos marcados pelos códigos morais dos quais queremos supostamente nos libertar: o sexo em suas ilustrações é simultaneamente infernal, patológico e insalubre. Ou melhor, Giger reintroduz o universo puritano ainda que pareça romper com ele ao desenhar o interdito. A questão é que o interdito não é o oposto, mas parte integrante da histeria puritana. Aliens-moluscos geralmente estão aparelhados com tentáculos. Às vezes esses tentáculos são inseridos entre as pernas (no ânus?) de suas vítimas humanas, outras vezes vão direto perfurar o estômago delas. Muitas vezes os tentáculos extraem substâncias do corpo da vítima, outras vezes injetam. Analogia entre tentáculo-falo, esperma-implante ou esperma-substância alienígena, são recorrentes na ficção científica.




A ficção científica
acaba fazendo o
serviço
da moral puritana






Em Alien, um astronauta aproxima o rosto de um ovo alienígena. O ovo se abre como uma vagina e “ejacula” uma criatura que lembra um caranguejo, ela se prende ao rosto do astronauta enfiando um tentáculo fálico por sua boca – daí a criatura injeta um filhote no corpo do hospedeiro (acima, à esquerda). Esta “injeção nojenta” faz lembrar uma felação - prática sexual que é punida pela lei em alguns estados americanos, mesmo quando praticada por casal legítimo. Mais tarde, esse falo que entrou pela boca sai pela barriga. Como uma simulação de parto, onde o astronauta perde a vida, vemos pular um pequeno monstro em forma de lagarto-cobra, que será ejetado do ventre quente e sangrado do homem como um pênis em ereção. Já adulto, o monstro segue matando todos os astronautas. Em certo momento, a astronauta Lambert encara o monstro. Nós, espectadores, vemos apenas um tentáculo se encaminhar por entre as pernas dela e subir. Ouvimos então seus gritos (de dor ou de prazer?). Na seqüência final, a heroína morena enfrentará o monstro (4). Quando finalmente se descobre que tudo foi um complô (usar a nave espacial para trazer a criatura para a Terra), já é tarde demais. Descobre-se também que o cientista da tripulação era um robô e sua missão era justamente essa. Os três astronautas restantes conseguem dominar e destruir o robô. Então perguntam a ele como destruir o monstro, e o robô afirma que isso é impossível. E completa:

Robô - “Ainda não entende com o que está lidando. Um organismo perfeito. A perfeição de sua
estrutura só é igualada por sua hostilidade”.
Lambert – “Você o admira”.
Robô – “Admiro a sua pureza. Um sobrevivente desprovido de consciência, remorso ou ilusões
de moralidade”.

Notas:

Leia também:

As Mulheres de Luis Buñuel
Luis Buñuel, Incurável Indiscreto
Tarkovski e o Planeta Água
Puritanismo e Ficção Científica (I), (II), (final)

1. HOUGRON, Alexandre. Science-Fiction et Société. Paris: PUF. 2000. Pp. 130-2.
2. Idem, p. 138.
3. Ibidem, p. 137.
4. Ibidem, pp. 136-7. 


Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.