Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

27 de mar de 2009

A Face do Mal (I)




“Em geral
podemos saber a data
de uma representação de Jesus devido a certas características
iconográficas”(...)O Diabo, porém,
é um capetinha impotente ou
um demônio perverso com
aparências variadas em
qualquer época” (1)




Eu e o Outro

Não são poucas as vezes que escutamos frases do tipo, “com essa carinha de santo/a, quem poderia imaginar que poderia ser tão má/mau!”. Muitas são as variações da hipótese platônica de que se alguém é bela/o, só pode fazer o bem. Não que isso seja incomum nas sociedades humanas, mas nós ocidentais somos uma cultura muito dependente da visão. Especialmente em relação a personagens heróicos de nossa história. Mas também, e principalmente, quando se trata de dar uma imagem a personagens que representam conceitos tão abstratos quanto o Bem e o Mal. (imagem acima, detalhe de Os Condenados, parte da série O Juízo Final, 1503, de Luca Sigmorelli)

Do ponto de vista dos exércitos aliados durante a Segunda Guerra Mundial, os inimigos nazistas alemães, fascistas italianos e japoneses, tinham a face do demônio. E assim eram retratados em revistas, jornais, livros e desenhos animados. O mesmo acontecia com esses inimigos quando representavam os aliados para seu próprio povo. Quem estava com a razão? Do ponto de vista dos Estados Unidos, os comunistas de todo mundo eram vistos como a semente do mal, comedores de criancinhas. Por outro lado, os norte-americanos foram os únicos capazes de lançar bombas atômicas, escolhendo populações civis como alvo.

Quem sabe como realmente foi a face de Jesus Cristo? Muitas são as representações dele, a maioria de longos cabelos e barbas quase louras e olhos azuis. Ninguém parece se importar com o fato de que era judeu e pobre, vagando pela terra desértica da Palestina sem condições higiênicas ideais. Invertendo a questão, por que as personagens más geralmente são representadas com imagens praticamente ou, às vezes, totalmente animalesca? Por exemplo, a figura do diabo de chifres e rabo pontudo. De onde veio isso?

A Máscara do Mal


“Alguns dos diabos de Fra
Angelico têm chifres
, outros,
não
; uns têm rabo, outros, não;
há os alados e os não-alados
, os
peludos e os glabros
, uns com
cara de cachorro
, outros de
gato
. E o grande Satã negro
de Fra Angélico mais parece Godzilla do que qualquer
outra coisa”
(2)



Talvez Cristo e o demônio sejam realmente assim, mas isso não quer dizer que não existiu uma fantasia em torno da reprodução de suas imagens. No sentido de que ou eles não estão mais presentes ou são invisíveis. Portanto, sem provas físicas, a recriação de sua suposta imagem fica a mercê de pessoas e/ou tendências artísticas cuja real preocupação com alguma veracidade documental é infinitamente inferior à própria fé. As representações do Juízo Final só se tornaram populares depois do século XII. Se o Diabo não tinha asas de morcego antes do ano 1300, temos de nos perguntar por que (3). (imagem acima, O Juízo Final, 1431-35, de Fra Angelico; a citação à direita da imagem refere-se a ela)

Em muitas ilustrações e estórias em quadrinhos, o Diabo geralmente segura um garfo ou forcado. A quem sugira que essa peça deriva do tridente de Posêidon, o deus grego do mar, que por sua vez deriva de Adad, antigo deus babilônico do tempo. Mas esses deuses pertenciam a uma tradição que a nascente Igreja Católica chamava de infiéis, bárbaros, hereges e pagãos. Daí que se deu um arpéu (ou gancho aforquilhado) para ele. Mas por quê? Talvez porque, em função da Inquisição, o arpéu se tornou um instrumento de tortura para purificar os infiéis. Portanto, o arpéu do Diabo servia para a tortura dos condenados.

Entretanto, por longo tempo os atributos e concepções gráficas do Diabo não estavam tão definidos quanto àqueles de Maria, Judas ou Sansão. Luther Link sugere que, pelo fato “dele” não ser uma pessoa, pode ter muitas máscaras, mas sua essência é uma máscara sem rosto. Por esse motivo o rosto do Diabo era mais difícil de representar do que o de Jesus. Conhecemos muitas representações do diabo monstruoso, mas antes do século XVI encontra-las não era tão fácil assim. Do século IX ao XVI as pinturas que retratavam satã eram ruins. Ou porque se tratava de um ser mal, ou, na verdade, porque não se sabia como retratá-lo.

Mas não podemos nos enganar, para as pessoas daquela época, o Diabo era uma presença real. Portanto, o que parece ruim aos nossos olhos atuais demonstra como é difícil por as mãos na verdade dos fatos. Ao diabo são entregues os hereges, portanto ele é uma espécie de colaborador usado por Deus, ele trabalha para Deus! “Assim, não surpreende que a Igreja não tenha dado contornos nítidos à iconografia do Diabo. O mal do Diabo requer evasivas” (...) “O Diabo constitui um problema teológico e moral: ele é o intruso que a Igreja tem o dever de não definir exatamente” (4).

Notas:

1. LINK, Luther. O Diabo. A Máscara sem Rosto. Tradução Laura Teixeira Motta. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. P. 46.
2. Idem, p. 47.
3. Ibidem, p.18.
4. Ibidem, p. 21.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.