Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

3 de fev de 2009

Os Biblioclastas (final)


Um Mundo Bizarro 

Na opinião de Fernando Báez, geralmente todo esse ódio totalitário e apocalíptico contra o livro parte de pessoas com tendências muito específicas: são porta-vozes de tentações coletivistas ou de utopias milenaristas, podem ter também preconceito de classe e/ou um comportamento despótico, burocrático e servil. Esses biblioclastas, os destruidores de livros, curiosamente possuem um livro que seguem e que julgam eterno. Sendo eterno, seu conteúdo adquire uma condição categórica que legitima sua procedência divina (seja Corão, Bíblia, ou o programa de um movimento religioso, social, artístico ou político) (1). Nem só de ignorantes são formadas as fileiras da Inquisição biblioclasta. Báez confessa que, após 12 anos de estudo, concluiu que quanto mais culto é um povo, um homem ou uma mulher, mas disposto se mostra a eliminar livros e se deixar dominar por mitos apocalípticos.

Foram biblioclastas René Descartes, David Hume, o Movimento Futurista, os poetas nadaístas colombianos, Vladimir Nabokov e Martin Heidegger. Além disso, parece que em alguns países é costume os alunos queimarem seus livros e textos de estudo como cerimônia não oficial de conclusão do ensino médio. Mas isso supostamente acontece também num ritual secreto na famosa Universidade de Harvard – lá onde estudou Barack Obama, o atual presidente do mundo.

Em 1982, na cidade de Monticello, no Estado Norte-Americano de Minnesota, três líderes fundamentalistas organizaram uma queima. Em 30 de dezembro de 2001, numa cidade do sudoeste dos Estados Unidos, uma comunidade religiosa queimou centenas de exemplares de Harry Potter. Jack Brock, o pastor, advertia que esses livros eram ruins para jovens, porque estimulavam a feitiçaria. Segundo Brock, Harry Potter é o diabo. Lançaram ao fogo também romances de Stephen King (2). Em 2001, membros da Assembléia de Deus na Pensilvânia cantavam enquanto queimavam livros, cd’s e vídeos que julgavam ofensivos a seu Deus. (imagem ao lado)

O Mundo da Internet

Desde que a internet se disseminou pelo mundo, podemos cada vez mais escrever nossos livros e textos e opiniões na rede mundial de computadores (World Wide Web: www). Se por um lado a virtualização do texto escrito facilita a difusão de informações e de conhecimento, por outro facilita também a vida dos inquisidores. Uma vez que possuam em suas fileiras ovelhas que entendam de navegação na rede, podem invadir e destruir os sítios particulares, ou de grupos e empresas. Portanto, a perseguição continua! A mesma sensação de pavor que causa a invasão do domicílio de alguém pode voltar quando se vê todo seu trabalho ir por água abaixo por obra de um invasor eletrônico. (imagem abaixo, durante o golpe do general Pinochet no Chile em 1973, soldados queimam livros proibidospelo novo Senhor)

Num certo sentido, a intolerância pode se disseminar através da rede com muito mais velocidade do que pelos meios normais. Alguém no Brasil pode destruir um sítio no Egito ou Paris. Além disso, como são países diferentes, o destruidor, se e quando for descoberto, poderá ficar impune caso esteja protegido pela legislação de seu país de origem. Neste ponto, o comentário de Báez está desatualizado quando ele afirma que “não está longe o dia em que no lugar do fogo os biblioclastas utilizarão programas informáticos destrutivos, limpos e devastadores” (3). De fato, constitui grande desafio para alguns espíritos dogmáticos compreender o que significa a afirmação de que todo cidadão tem direitos e deveres, e que ninguém poderá ser privado de amplo direito de defesa (de si mesmo e de suas idéias) (4).

Notas:

Leia também:

François Truffaut e Seus Livros

1. BÁEZ, Fernando. História Universal da Destruição dos Livros. Das Tábuas Sumérias à Guerra do Iraque. Tradução Léo Schlafman. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006. P. 25.
2. Idem, p. 305.
3. Ibidem, p. 321.
4. 
Intellectual Freedom? Yes! Censorship? No!

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.