Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

24 de abr de 2009

Purgatorium: A História de Uma Palavra (II)



Perdidos no Espaço

A antropologia mostrou a importância da noção de espaço, não só no urbanismo ou na geografia, mas especialmente no campo simbólico. Desdobramento disso, a noção de território não se restringe aos animais, pois o homem (não fosse ele mesmo um animal) pode ser muito mais facilmente compreendido se levamos em consideração seu comportamento em relação ao mundo que o cerca (incluindo o mundo que ele cria para cercá-lo). (imagens, O Último Julgamento, Hans Memling, 1433-1494; na imagem ao lado vemos o momento da morte, quando as almas eternas deixam os corpos)

Em A Dimensão Oculta, Edward T. Hall mostrou que o território é um prolongamento do organismo animal e humano, que depende do ponto de vista da cultura que o imagina e que é também uma interiorização do espaço organizada pelo pensamento. O espaço guarda uma dimensão fundamental dos indivíduos e das sociedades. Nesse contexto, organizar o espaço do além foi uma operação de grande alcance para a sociedade cristã.

“Quando se aguarda a ressurreição dos mortos, a geografia do outro mundo não é uma questão secundária. E pode esperar-se que exista uma relação entre a maneira como essa sociedade organiza o seu espaço aqui em baixo e o seu espaço no além, pois os dois espaços estão ligados através das relações que unem a sociedade dos mortos e a sociedade dos vivos. Entre 1150 e 1300, a cristandade entrega-se a uma grande remodelação cartográfica, sobre a terra e no além. Para uma sociedade cristã como a do Ocidente medieval, as coisas vivem e movem-se ao mesmo tempo – ou quase – sobre a terra como no céu, aqui em baixo como no além” (1)

O Lugar das Punições

O Purgatório se instala na crença cristã entre 1150 e 1250. Trata-se da hipótese da existência de um além intermediário entre céu e terra, onde certos mortos passam por uma provação que poderia ser abreviada pela ajuda espiritual dos vivos. A meio caminho entre a morte e a ressurreição, algo de novo pode acontecer a um ser humano. Uma parada onde são oferecidos suplementos para que certas pessoas alcancem a vida eterna. O julgamento dos mortos também é uma noção que permeia a idéia de Purgatório. Na verdade, um julgamento duplo, o primeiro no momento da morte, o segundo no fim dos tempos.

Uma espécie de processo judicial de abrandamento das penas em função de fatores diversos. A responsabilidade individual e o livre arbítrio do homem (culpado por natureza, devido ao pecado original) também entram nessa conta: seremos julgados pelos pecados pelos quais somos responsáveis. Existe uma ligação entre o Purgatório e o tipo de pecado “quotidiano”, “habitual”, que levará a concepção de pecado venial (perdoável). De fato, essa foi uma das condições para o surgimento do Purgatório, que será o lugar de purgação dos pecados veniais. (na imagem ao lado vemos o Purgatório, lugar do Julgamento dos pecados pelo tribunal divino, e o Céu)

O Terceiro Lugar Está Mais ou Menos no Centro

O Purgatório é um espaço situado entre o Paraíso e o Inferno, embora por muito tempo se confunda com este. Em seguida, enquanto lugar de purificação completa para os futuros eleitos, ele passa a se inclinar para o Paraíso, o que mostra que o Purgatório não constitui um verdadeiro ponto intermediário.

Ponto intermediário deslocado, não se situará no centro, mas num intervalo, apontando para o alto. Portanto, o Purgatório não está a meio caminho (não é equidistante) entre Céu e Inferno. Apesar dessa indefinição ou, talvez por conta dela, na Idade Média o Purgatório passa a fazer parte de um imaginário que se chamará de “maravilhoso”.

Seja como for, o Purgatório entra como um dos lugares do além e não faz sentido senão em relação aos outros lugares (Céu e Inferno). Foi aquele dentre os três que mais tempo levou para se definir e consolidar. (na imagem ao lado vemos o lado direito do tríptico de Memling, o Inferno)

“Estrutura lógica, matemática, o conceito de ponto intermediário está ligado a mutações profundas das realidades sociais e mentais da Idade Média. Não deixar mais sozinhos, cara a cara, os poderosos e os pobres, os religiosos e os laicos, mas antes procurar uma categoria mediana, classes médias ou ordem terceira, é tudo a mesma tentativa e reporta-se a uma sociedade transformada. Passar de esquemas binários [Céu x Inferno] para esquemas ternários é dar aquele passo na organização do pensamento da sociedade, cuja importância Claude Lévi-Strauss sublinhou” (2)

Notas:

1. LE GOFF, Jacques. O Nascimento do Purgatório. Lisboa: Editorial Estampa, 2ªed., 1995. P. 18.
2. Idem, p. 21. Na referência a Lévi-Strauss, Le Goff se refere ao estudo do antropólogo francês em relação às sociedades dualistas, “As Organizações Dualistas Existem?”, em Antropologia Estrutural.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.