Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

11 de jun de 2011

Rostos da Ópera de Pequim





A maquiagem facial
delibe
radamente distorce
as linhas do rosto do ator na
ópera chinesa
. Primeiro não se
acredita que reflita seu caráter
,
e também porque é preciso
fazer surgir o carát
er
do personagem
(1)




As maquiagens da Ópera chinesa se dividem entre jing (rostos pintados) e chou (palhaços). Sua forma, cores e padrões simbolizam as características de papéis específicos. Desta forma, uma platéia informada poderá facilmente diferenciar o herói e o vilão, um sábio de um idiota, aqueles que devem ser amados ou odiados, respeitados ou ridicularizados. Nesse contexto artístico, seria apropriado se referir ao rosto pintado como “um espelho da alma” (2). Segundo consta, os padrões de pintura facial evoluíram da mistura de duas formas anteriores de disfarce facial ou decoração usada em performances teatrais: a máscara usada pelo daimian (um papel estilo jing) numa dança da dinastia Tang (618-907) e o tumian (“rosto lambuzado”), do papel sub-jing na ópera Cajun – um tipo de sátira popular, durante as dinastias Tang e Song (960-1279). Wong Ouhong explicou em 1988 que o embrião dos rostos pintados da ópera chinesa era o totem primitivo. Com o tempo, esse totem evoluiu para uma máscara usada pelos dançarinos nas cerimônias de sacrifício ao Deus Exorcista durante a primavera e o outono.



Na ópera chinesa,
a maquiagem facial
tomaria   o   lug
ar da
máscara
, pois é mais
eficiente ao mostrar
expressões faciais


Posteriormente, a máscara se desenvolveu sucessivamente no daimian (“rosto substituto”, um tipo mais elaborado de máscara) das dinastias Han e Tang, o tumian (“rosto lambuzado”) das dinastias Song e Yuan, e o lianpu (rosto pintado, literalmente “padrão facial”) das dinastias Ming e Qing. Contudo o rosto pintado, afirmou Ouhong, não substituiu totalmente a máscara nos palcos chineses, ambos ainda são utilizados. Com seu simbolismo e exageros, os rostos pintados que aparecem na ópera de Pequim representam o caráter de um personagem. Muitas vezes olhos, sobrancelhas e bochechas são retratados como morcegos, borboletas, ou asas de andorinhas, que juntas com bocas e narizes exagerados produzem as expressões faciais desejadas. Um personagem otimista geralmente é retratado com olhos claros e sobrancelha lisa, enquanto alguém enlutado ou cruel aparece com olhos semi-serrados e sobrancelha enrugada.




Tudo  teria  começado
com   uma   homenagem
à bravura de um príncipe
que escondeu seu rosto de
linhas suaves por trás de
uma máscara medonha



Segundo reza a lenda, o príncipe Lanling era um grande guerreiro da dinastia Tang, mas tinha um rosto muito feminino. Para assustar seus inimigos, ele usada uma máscara horripilante no campo de batalha. Seu povo tinha tanto orgulho da bravura dele que compôs música e dança em sua homenagem, onde os atores usavam máscaras. A partir daí, começa o costume de os atores usarem máscaras. Essas máscaras podem ser consideradas fósseis vivos na história da maquiagem facial da ópera chinesa. Elas perderam importância para a maquiagem porque com esta os atores podiam melhor mostrar expressões faciais. No começo, apenas três cores contrastantes eram utilizadas: vermelho, branco e preto. Olhos, orelhas, nariz e contornos do rosto eram claramente delineados, e os elementos mais característicos de cada personagem eram exagerados – sobrancelhas grossas, olhos grandes, nariz arrebitado e boca grande. Entre o final do século 18 e começo do seguinte, a arte da maquiagem facial estava se desenvolvendo rapidamente. As diferenças entre os personagens ficaram mais evidentes e muitos “rostos novos” foram criados, retratando personagens históricos e lendários.



Classificam-se os
personagens a partir
de um código visual que
traduz seu temper
amento.
A natureza humana será 
traduzida na mistura
de todas as cores


Na medida em que mais cores foram sendo usadas, gradualmente adquiriram significados simbólicos. Em geral, o vermelho é a cor da lealdade e da coragem; púrpura, da esperança, bravura e da firmeza; preto, lealdade e integridade; branco aquoso, crueldade e traição; branco oleoso, alguém empolado e dominador; azul, valor e determinação; verde, cavalheirismo; amarelo, brutalidade; vermelho escuro, um guerreiro leal e testado pelo tempo; cinza, um patife. Ouro e prata são usados nos rostos e corpos de divindades, Budas, espíritos e demônios, porque seu brilho produz efeitos sobrenaturais. Entretanto, essa divisão entre as cores não é rígida. O que faz muito sentido (simbólico), já que na ópera de Pequim as cores são utilizadas para simbolizar a natureza humana. Apesar da profusão de cores, não existe mais do que uma dúzia de tipos de rostos pintados, porém muitos subtipos são criados a partir de empréstimo e intercâmbio de cores e padrões. Os subtipos são baseados nas diferenças de temperamento, nas linhas e cores da maquiagem de personagens com a mesma função, que, entretanto, desempenham suas partes de forma distinta. Como cada personagem é dotado de individualidade, não existem dois rostos pintados iguais.

Notas:

Leia também:

As Mulheres de Luis Buñuel
Luis Buñuel, Incurável Indiscreto
As Deusas de François Truffaut
A Chinesa e o Cinema Político de Godard
Arte e Cultura (I), (II), (III)
A Fabricação do Herói (I), (final)
Kieślowski e o Outro Mundo
Sergio Leone e a Trilogia do Homem sem Nome
O Rosto no Cinema (I)
Um Corpo que Trai
Me Elogiaram de Imbecil...

1. JIQING, YAN; MENGLIN, Zhao. Peking Opera Painted Faces. With notes on 200 operas. Beijing: Mourning Glory Publishers, 1996. P. 25.
2. Idem, pp. 11-5. 


Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.