Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

3 de fev de 2008

Comentário Sobre o Comportamento Sexual Feminino


Um corpo
perfeito
não basta



Segundo o psicanalista Jurandir Freire Costa, estamos vivendo um estado de prontidão afetiva (1). Dada a estética de culto ao corpo, as pessoas evitam cada vez mais expor seu lado afetivo, apostando na busca da felicidade apenas no âmbito das sensações. O problema, completa Jurandir, é que as pessoas não conseguem satisfação porque acabam percebendo que um corpo perfeito não basta.

Segundo o psicanalista, nos últimos trinta anos estamos vivendo uma transição da cultura dos sentimentos (que imperou por quase três séculos) para a cultura das sensações. Nesta última perspectiva, todas as fichas são apostadas no culto ao corpo belo, não obeso e jovem. Jurandir teme que os custos emocionais do ideal inatingível de beleza que nutre essa cultura das sensações sejam caros demais.

“No tempo do amor romântico, as pessoas sacrificavam a própria vida por amor. Hoje você não sacrifica a sua liberdade sexual, a sua beleza, a academia de ginástica por amor algum” (2). (...) “As pessoas querem estar em boa forma, ser jovens, magras e viver felizes. Mas o que é ser feliz? A felicidade é basicamente sentimental porque o romantismo amoroso é o que dá sentido à vida privada”. (3)

“A mulher de verdade não é perfeita”. Entretanto, na cultura das sensações, não adianta você ser uma mulher fiel e sensível se você é gorda! As pessoas querem amar, mas não conseguem, são eternamente infelizes com sua imagem corporal. Desta forma, a partir do que Jurandir chamou de distúrbios de imagem corporal, tornam-se infelizes porque não encontram quem amar, não conseguindo exercer o afeto. Não é que elas não saibam amar, ou sejam pobres afetivamente. O problema é que ou elas estão fora do padrão de beleza da cultura da sensação ou acreditam que estão. Resultado: epidemia de depressões leves tratadas com Prozac.

“A professora de ginástica Izabel Ramalho, da academia Pró-Forma, no Leblon [RJ], diz que a preocupação exagerada das mulheres com o corpo contrasta até com o ideal feminino propagado pelos homens”:

- Os meus alunos vivem dizendo que o importante é o conjunto. Não importa uma celulite aqui, uma barriguinha ali, mas sim um conjunto atraente. Isso é o que interessa. E as mulheres não aprendem.

Para a atleta Dora Bria, só a maturidade dá à mulher a consciência de que ela vale muito mais que uma bela aparência:

- Eu aprendi que homem só gosta de mulher perfeita para um dia. Depois, assusta-se e foge. Logo, é mais vantagem ser uma mulher normal”.(4)

É claro que não podemos tomar como regra algumas opiniões de homens freqüentadores de academias de ginástica do Leblon. Mas um bom observador poderá, aqui e ali, perceber que de fato a unanimidade em torno desse culto ao corpo não é tão unânime assim. A opinião de Dora Bria também parece apontar para o fato de que uma mulher perfeita (fisicamente) torna-se muito cara ao longo do tempo, além de ter pouca disponibilidade – uma vez que a ginástica e os cremes são mais importantes que os parceiros/parceiras que possibilitaram conquistar. Muito cara porque a indústria da beleza cobra caro. Do ponto de vista da mídia televisiva, avaliar em que momento alguém está sendo sincero quando renega essa cultura da sensação pode ser meio difícil, já que todos ali vivem da exposição pública. A não ser que seu discurso seja bem claro e direto. Eu arriscaria um exemplo deste caso. Ironicamente, um discurso explícito contra o culto ao corpo e à hipersexualização surge num programa cujo tema é exatamente o sexo explícito.

O programa Noite Afora, que era veiculado pela Rede TV há alguns anos atrás, tinha como temática a vida erótica e sexual. Apresentava strip tease e reportagens sobre vida sexual. O curioso é que a apresentadora e ex-modelo Monique Evans falava quando podia que não gostava do “durante”, só do “antes” e do “depois”. Outro detalhe interessante é que, ao entrevistar bandas como a que lançou uma música que chamava as mulheres de cachorras, suas dançarinas disseram que não gostariam de ser chamadas assim. Outra moda era a da música que falava que “um tapinha não dói”. Monique fez a mesma pergunta, se as dançarinas gostavam disso. Responderam que não. Estes exemplos mostram que mesmo num programa que pretende falar sobre sexo apenas em seu viés erótico, aquelas pessoas de quem se espera que assumam um comportamento hipersexualizado não o fazem. Na verdade, muitas se mostram bastante convencionais e conservadoras sexualmente.

Por outro lado, do ponto de vista dos clichês da mídia, não deixa de chamar atenção o fato de que tal comportamento demonstra o desinteresse em identificar o conteúdo sexual com os interpretes. Quer dizer, o que se esperaria da apresentadora é que ela fizesse (ou fingisse fazer) do sexo pelo sexo um estilo de vida. O mesmo para as dançarinas desses grupos musicais onde as letras são machistas e hipersexualizadas.

Notas:

Leia também:

As Mulheres de Luis Buñuel
Luis Buñuel, Incurável Indiscreto
Conexão Seios (I), (II), (III), (epílogo)
Imagem Corporal e Satisfação
O Rosto e a Ética na Televisão
O Gande Irmão Está Vendo Você
A Cegueira da Visão (I), (II), (final)

1. CEZIMBRA, Marcia. PRONTIDÃO AFETIVA. Psicanalistas dizem que a busca obsessiva por boa forma, sensualidade, beleza e juventude não traz felicidade. O GLOBO, Jornal da Família. 6/04/2003. Pp. 1-2.
2. Idem, p. 1.
3. Ibidem, p. 2. O grifo é meu - Nota do Autor.
4. Ibidem.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.