Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

5 de mai de 2009

As Mulheres, Entre Ocidente e Oriente (II)


O Inferno na Terra

Os números são assustadores, 6000 casos por dia, perto de 2 milhões por ano. Cerca de 135 milhões de mulheres já foram submetidas a esta tortura. Até pouco tempo esta tortura era chamada de circuncisão, mas agora recebeu a classificação de Mutilação Genital Feminina, pelo comitê da ONU para a Eliminação da Discriminação contra Mulheres. Diga-se de passagem, desde 1981 a Anistia Internacional alertou para o problema na reunião do Conselho Internacional da ONU, mas só entrou na pauta em 1985... Então, em 1996... a ONU se moveu, através do citado comitê, rejeitando a tese do relativismo cultural e passando a considerar a mutilação como crime contra os direitos humanos.

As mutilações estão sendo consideradas motivo justo para pedido de asilo em alguns países. Estados Unidos, Canadá e Suécia estão entre os que receberam mulheres que fugiam desse destino. Em função da imigração, nos países ocidentais estão ocorrendo cada vez mais casos. Na França, mas de 20.000 mulheres são mutiladas por ano. Em 1982 foi criada a CAMS-F, Comissão de Abolição de Mutilações Sexuais na França, a partir da criminalização do ato. O tema também foi discutido no 15° Congresso Mundial de Sexologia, em Paris, em junho de 2001. São três as formas da mutilação: Clitoridectomia, Excisão e Infibulação. (imagem acima, a modelo internacional Waris Dirie. Nascida na Somália em 1965, teve sua vagina mutilada aos cinco anos de idade. Hoje é uma embaixadora das Nações Unidas e combate a mutilação genital feminina. Escreveu um livro, Flor do Deserto, onde conta sua experiência)

“Qual a diferença entre a mulher com tpm e um pitbull? Batom”

Clitoridectomia
, circuncisão simples ou suna. Extirpação total ou parcial do clitóris. Praticada na África, alguns pontos da Ásia, Indonésia, Malásia e no Oriente Médio (principalmente península arábica). Excisão, extirpação do clitóris e dos lábios menores total ou parcialmente. Certas etnias cauterizam o clitóris a fogo: os órgãos são friccionados com uma espécie de urtiga, que aparentemente deixa a região intumescida, o que facilita a visualização da área a ser cauterizada.

Pratica-se: 1) na África oriental: Egito, Etiópia, Quênia, Somália, Sudão, Tanzânia, Uganda; na África ocidental: Benin, República dos Camarões, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné, Burkina Fasso, Libéria, Mali, Mauritânia, Niger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa, Togo; 2) na África central: República Centro-Africana, Chade, Zaire; 3) na península arábica: principalmente nas costas do Iêmen do Sul e Omã.

“Por que a mulher
cruzou a rua?
Quem se importa!
O que ela está
fazendo fora
da cozinha?”



Infibulação
, ou circuncisão faraônica, extirpação de todos os genitais externos, costurando-se (com espinhos) quase todo o orifício vaginal, as pernas podem permanecer amarradas por até 40 dias – deixa-se aberta uma pequena passagem para urina e menstruação, geralmente da espessura de um palito de fósforo. No caso das mulheres infibuladas, o sofrimento pode ser ainda maior. Na eventualidade de um parto, a vagina precisa ser reaberta (com uma navalha, por exemplo), a demora pode gerar pressão no crânio e na coluna da criança, e geralmente é fatal. Quando a mãe não faz a abertura da vagina, a saída do bebê do útero pode provocar cortes que vão da vagina ao anûs. Pratica-se na África oriental: Dijbuti, Etiópia, Somália, Sudão, Quênia; África ocidental: Mali, Burkina Fasso, Nigéria.

Pedaços de vidro, tampas de lata, tesoura, navalha ou gilete, este são os instrumentos mais utilizados nas “cirurgias”. Dores, hemorragia, infecções urinárias crônicas, abscessos, pedras na bexiga e na uretra, tétano, gangrena, obstrução do fluxo menstrual, choque cardíaco, sangramentos e hemorragias que podem levar à morte, problemas em orgãos vizinhos, hematomas e queimações ocasionadas pela passagem da urina geram retenção urinária, esterilidade provocada por infecções...

“Pesquisas comprovam que
a cerveja contém hormônios femininos
.
A prova disso é que os homens, quando bebem muita cerveja, falam muita
besteira e dirigem mau”

As mulheres não mutiladas são consideradas sujas
, acredita-se que um homem pode morrer caso seu pênis toque nesta região. Esse toque também é a crença para a morte de bebês no parto. Na tradição do Mali, o céu fecundou a terra antes de sua excisão dando origem ao chacal (um parente africano do lobo e da raposa), semeador da desordem no mundo. Assim, a criança nascida de uma mulher não excisada vem anunciar a desordem e o azar.

A origem da mutilação é desconhecida, é anterior tanto ao cristianismo quanto o islamismo, não sendo preceito de nenhuma das grandes religiões. Carlos Alberto Idoeta, diretor da Seção brasileira da Anistia Internacional, critica o que chama de um relativismo indiscriminado, visão multiculturalista que cria obstáculos ao universal. Segundo Idoeta, devemos antes de mais nada ouvir as vítimas. Deveríamos também preservar valores universais que minam a legitimidade de valores e práticas baseados na dominação e discriminação. Colocar-se contra aqueles que dizem que ir contra estes costumes seria uma causa eurocêntrica, que despreza os valores de outras culturas! (1)

Notas:

1. IDOETA, Carlos Alberto. Mutiladas In FERRAZ, Eduardo. Ocidente tenta coibir o ritual milenar africano de extirpação do clitóris de crianças e adolescentes. Disponível em: http://www.oocities.com/realidadebr/rn/mulcumana/m201196.htm Acessado em: 26/08/2010, publicado originalmente na Revista Isto É de novembro de 1996. MULHER, suplemento da Folha de São Paulo, ano 1 - n°47, São Paulo, 27 de fevereiro de 1983. O exemplo da mutilação genital feminina In HOGEMANN, Edna Raquel R. S. Direitos humanos: Sobre a Universalidade Rumo ao Direito Internacional dos Direitos Humanos. Disponível em: http://www.dhnet.org.br/direitos/brasil/textos/dh_univ.htm Acessado em: 04/05/2009. DAMÁSIO, Celuy Roberta Hundzinsk. Luta Contra a Excisão, por. Revista Espaço Acadêmico, Ano I, nº3, 08/2001. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.br/003/03col_celuy.htm Acessado em: 04/05/2009.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.