Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

23 de mai de 2010

Do Samurai ao Kamikaze





“O ato característico dos homens na guerra
não é mo
rrer, é matar”

Joana
Bourke (1)





Tudo Começa Com Honra (2)

O Hagakure, uma obra didática destinada aos samurais do século XVIII, diz que não se pode encontrar um homem belo cuja aparência não esteja respirando serenidade, dignidade calma. Para obter tal controle de si, é necessário ser reservado, austero mesmo, sério, mas sempre devotado, justo e respeitoso com os outros. Tais virtudes marciais de simplicidade e lealdade foram formuladas, posteriormente, no que chamamos de Bushido, o “caminho dos guerreiros”. Este famoso código de honra dos samurais japoneses, forjado pelo budismo zen e pelo confucionismo, determina deveres recíprocos entre senhores e servos. Ensina não apenas como desenvolver a coragem e as qualidades físicas, mas também como comportar-se diante de seus superiores. Recomenda a honestidade, a magnanimidade, o desinteresse e o desprezo em relação à morte.


Para uma
sociedade que vende

armas de brinquedo para
crianças, condenamos o
espírito Kamikaze
rápido demais




O espírito do Bushido sobrevive hoje de forma atenuada na prática de artes marciais. Mas foi ele que acompanhou os jovens pilotos Kamikazes no final da Segunda Guerra Mundial contra as forças norte-americanas. De acordo com Dominique Buisson, quando o homem de hoje se identifica com o mito do samurai, o faz, sobretudo, a nível social: a força e a superioridade do guerreiro que reivindica como um patrimônio antigo, pés firmemente colados no chão, confiança, barriga para frente, coluna reta e cabeça erguida. Uma grande concisão verbal está a serviço da entonação grave de sua voz.(primeira imagem, seguindo a tradição: piloto japonês leva consigo uma espada samurai; acima, à direita, e abaixo, Kamikazes momentos antes de decolar para sua única missão)


“Se colocamos tão alto a dignidade da vida, como
não colocar igualmente
alta a dignidade da morte?
A morte não pode jamais
ser qualificada de fútil”


Yukio
Mishima


Cristãos Deveriam Saber Morrer

“Falamos muito
de lutar até o último
homem e
até o último
cartucho
, mas o soldado
japonês
é o único
que faz isso”

Marechal Slim, Comandante do 14º
Exército Britânico na Birmânia (3)


De acordo com Barbara Ehrenreich, durante a Segunda Guerra o Japão era alicerçado num nacionalismo leigo. A escola pública incluía treinamento militar para os meninos e para ambos os sexos uma doutrinação militarista e adoração ao imperador. As aulas de ciências e matemática eram repletas de exemplos tirados do campo de batalha. O imperialismo japonês abraçou o xintoísmo tradicional. Até o período Meiji, no final do século XIX, o xintoísmo tendia a ser apolítico e não muito “religioso”. Ocupava-se mais dos festivais religiosos e pregar a obediência aos rituais domésticos e de casamentos. Por esta razão, os samurais preferiam o budismo, sua austeridade e indiferença em relação à morte. Mas os samurais eram uma elite reduzida, e seu zen-budismo nunca atraiu muitos adeptos (4). (imagem acima, à esquerda, Kamikaze prestes a errar o alvo; abaixo, Kamikaze prestes a certar o alvo)


Não adianta taxar
guerreiros suicidas de
dementes. A fronteira entre
o heroísmo e o fanatismo
é sempre determinada
pelo vencedor




Ehrenreich esclarece que, com a militarização da sociedade japonesa a partir da virada do século XX, o xintoísmo ligou-se ao nacionalismo. Os sacerdotes recebiam dinheiro público para preparar outros sacerdotes e cuidar dos santuários. Também gozavam de apoio do Estado em relação à rivalidade com o budismo. No início da Segunda Guerra, afirmou Ehrenreich, o xintoísmo havia se tornado a religião do Estado. Para não serem acusadas de fundamentalismo religioso, as autoridades assumiram que o xintoísmo não era uma “religião”, mas algo leigo e arraigado na vida japonesa: um “espírito nacional”. No centro disso tudo estava a idéia do Kokutai, o corpo-nação – correspondendo ao que os intelectuais ocidentais chamavam de “nação com organismo”. Era a noção de que os cidadãos formavam uma “massa”. Representado pelo imperador e pelos sacerdotes xintoístas, o Kokutai exigia fidelidade absoluta, inclusive a aceitação de morrer por ele – essa coisa toda, Ehrenreich sugeriu, não diferia muito do ideal de sacrifício presente no nacionalismo europeu. Sendo assim, o estereótipo do déspota oriental, é construído um pouco em função de nossa cegueira em relação a nós mesmos. (imagem abaixo, à direita, mais um Kamikaze prestes a atingir o alvo; no final do artigo, mais um grupo deles em sua cerimônia final antes da última missão)

“Como os
nacionalismos
europeus
, o Estado
xintoísta via na guerra
uma empreitada
sagrada”

Barbara
Ehrenreich (5)


Embora tivesse ecos no passado, o “culto Kokutai”, surge apenas na década de 30 do século passado. A idéia de nação como um corpo ou organismo místico centrado no corpo de um líder era um fenômeno da era moderna: a era dos grandes exércitos. No antigo Japão dos samurais, o Bushido representava uma ética de elite de guerra – semelhante ao dos cavaleiros europeus medievais das cruzadas. Na era dos grandes exércitos, o Bushido deveria incluir as massas, que agora poderiam morrer gloriosamente na guerra – direito que antes, lembra Ehrenreich, somente seus superiores tinham. Ainda de acordo com Ehrenreich, o nacionalismo religioso japonês suplantou seu correspondente europeu no que diz respeito à glorificação dos mortos na guerra. Se os europeus homenageiam seus mortos, os japoneses os tratam como deuses. Seis mil jovens se apresentaram para as missões suicidas na Segunda Guerra... Um escrito no bolso de um soldado japonês mortos dizia: “Vou me transformar numa divindade e sorrirei em meio à neblina espessa. Estou apenas aguardando o dia da morte”. No fundo, não se pode dizer de Ohnishi, o mentor dos Kamikazes, que agiu diferentemente da maioria dos líderes ocidentais (políticos e militares) quando se trata de dispor da vida alheia...

(...) Se formos resolutos
e estivermos preparados

para sacrificar 20 milhões
(...) num esforço Kamikaze,
a vitória será nossa”


Almirante Takajiro Ohnishi,
num último esforço delirante
de convencer seus pares (6)




Notas:

Leia também:

Suicídio é Pecado Mesmo?
Pênis Guerreiro
Yasujiro Ozu e Seu Japão
Estética da Destruição
Pênis e Racismo
A Fabricação do Herói (I), (final)

1. BOURKE, Joana. An Intimate History of Killing. Face to Face Killing in 20th Century Warfare. London (?): Basic Books, 1999. P. xiii.
2. BUISSON, Dominique. Le Corps Japonais. Paris (?): Hazan, 2001. P. 118.
3. BARKER, A. J. Kamikazes. Rio de Janeiro: Renes, 1975. P. 22.
4. EHRENREICH, Barbara. Ritos de Sangue. Um Estudo Sobre as Origens da Guerra. Tradução de Beatriz Horta. Rio de Janeiro/São Paulo: Editora Record, 2000. P. 220.
5. Idem, p. 222.
6. BARKER, A. J. Op. Cit., p. 9.

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.