Este sítio é melhor visualizado com Mozilla Firefox (resolução 1024x768/fonte Times New Roman 16)

Roberto Acioli de Oliveira

Arquivos

21 de abr de 2011

Chaplin e o Macarthismo


Charles Chaplin considerava Monsieur Verdoux (1947) seu filme mais brilhante. Trata-se da história de um assassino em série que termina guilhotinado. A idéia foi sugerida por Orson Welles, para um documentário em forma de novela sobre Henri Désiré Landru. Executado em 1922, após ter matado dez esposas, um cachorro e um rapaz. Chaplin comprou a idéia de Welles e levou quatro anos para escrever um roteiro. Durante a cena do julgamento, Chaplin faria uma comparação entre o assassinato privado e o público. “Com relação ao assassinato em série”, declara Verdoux, “não é algo que o mundo encoraja? Não se fabricam armas com a intenção de matar milhares de pessoas? Um assassinato faz um vilão. Milhões, fazem um herói. Os números santificam”. Imagine alguém criticar a destruição em massa apenas dois anos depois do final da Segunda Guerra Mundial. Imagine alguém criticar armas de destruição em massa apenas dois anos após os Estados Unidos lançarem duas bombas atômicas sobre as populações civis de Hiroshima e Nagasaki, no Japão. Começam aqui os problemas de Charles Chaplin, que após uma longa e próspera carreira (para si mesmo e para o cinema norte-americano) o levarão a deixar os Estados Unidos para sempre.

O cineasta francês
Claude Chabrol também
f
aria um filme sobre Landru.
Mas como Chabrol mesm
o
disse
, seu Landru era um
“cara esquisito”
, enquanto
o Verdoux de Chaplin
era um filósofo


No final da década de 40 do século passado, quando os Estados Unidos não precisavam mais que a população apoiasse a União Soviética para que Hitler fosse derrotado, o sentimento anticomunista cresce naquele país. Inicialmente, o roteiro foi censurado por completo, sob alegação de que criticava a estrutura social contemporânea. A estréia de Monsieur Verdoux aconteceu durante o auge da paranóia política da “caça as bruxas”. A primeira entrevista coletiva foi marcada por questionamentos hostis por parte de jornalistas comprometidos (ou pressionados) pela ultra-direita, queriam saber por que Chaplin (nascido na Inglaterra) nunca havia se naturalizado norte-americano, sobre suas simpatias políticas e seus impostos. Foram organizados piquetes na frente dos cinemas que projetavam o filme, obrigado a United Artists a suspender as projeções – em tempo, esse estúdio foi fundado por Chaplin, pela atriz Mary Pickford e pelo cineasta D.W. Griffith, reconhecido concomitantemente como um dos pais do cinema e como o diretor de um dos filmes mais racistas de todos os tempos, O Nascimento de Uma Nação (The Birth of a Nation, 1915). O calvário de Chaplin duraria até 1952, quando deixaria a “terra das oportunidades” para sempre.



Verdoux se compadece de
uma moça que ele iria usar
como cobaia de um veneno
novo e a deixa viver
, ela se
casa com um industrial de
armamentos e enriquece



Em 1940, no começo da guerra, Chaplin lançaria O Grande Ditador (The Great Dictator). Monsieur Verdoux foi seu filme seguinte, lançado no começo de 1947. Dois filmes que, poderíamos dizer, marcam o alfa e o ômega da opinião do governo norte-americano a respeito de Chaplin. Durante a guerra, Chaplin havia apoiado a aliança dos Estados Unidos com a União Soviética contra Hitler. Mas essa atitude o colocou na alça de mira da ultra-direita norte-americana, que o catalogou como comunista ou simpatizante. Curiosamente, na sociedade Ocidental, quando uma pessoa se suicida é um problema. Mas quando centenas, milhares ou milhões se lançam ao suicídio, são convencidos pelo governo de que são heróis. A sociedade que transformou o suicídio num tabu é a mesma que investe pesadamente na indústria de armas e onde a morte e a violência sempre foram banalizadas. Todo mundo percebe que se trata da mesma sociedade onde matar não constitui um problema. (as três imagens pertencem a Monsieur Verdoux)

Notas:

Leia também:

Postagens populares (última semana)

Quadro de Avisos

Salvo quando indicado em algum ponto da página ou do perfil, este blog jamais foi patrocinado por ninguém e não patrocina nada (cursos, palestras, etc.), e jamais "doou" artigos para sites de "ajuda" a estudantes - seja no passado, presente ou futuro. Cuidado, não sejam enganados por ladrões da identidade alheia.

e-mail (no perfil do blog).
....

COMO CITAR ESTE BLOG: clique no título do artigo, verifique o link no alto da tela e escreva depois do nome do autor e do título: DISPONÍVEL EM: http://digite o link da página em questão ACESSO EM: dia/mês/ano

Marcadores

Action Painting Androginia Anorexia Antigo Egito Antonioni Antropologia Antropologia Criminal Aristóteles Armas Arquitetura da Destruição Artaud Arte Arte Degenerada Arte do Corpo Auto-Retrato Balthus Bat Girl Batman Baudrillard Bauhaus Beckmann Beleza Biblioclasta Body Art botox Bulimia Bullying Buñuel Burguesia Butô Cabelo Carl Jung Carnaval de Veneza Carolee Schneemann Castração Censura Cesare Lombroso Cézanne Chaplin Charles Darwin Charles Le Brun Chicago Cicciolina Ciência Ciência do Concreto Cindy Sherman Cinema Claude Lévi-Strauss Claus Oldenburg Clifford Geertz Clitoridectomia Close up Comunismo Corpo Criança Cristianismo Cubismo Cultura Da Vinci Dadaísmo David Le Breton Descartes Desinformação Déspota Oriental Deus Diabo Distopia Erotismo Eugenia Europa Evgen Bavcar Expressionismo Fahrenheit 451 Falocentrismo Família Fascismo Fellini Feminilidade Feminismo Ficção Científica Filme de Horror Fisiognomonia Fluxus Fotografia Francis Bacon Francisco Goya Frankenstein Franz Boas Freud Frida Kahlo Fritz Lang Frobenius Futurismo Games Gaudí Gauguin George Lucas George Maciunas Giacometti Giambattista Della Porta Gilles Deleuze Giuseppe Arcimboldo Goebbels Grécia Griffith Guerra nas Estrelas H.G. Wells Herói Hieronymus Bosch História Hitchcock Hitler Hollywood Holocausto Homossexual HR Giger Idade Média Igreja Imagem Império Romano imprensa Índio Infibulação Informação Inquisição Ioruba Islamismo Jackson Pollock Jan Saudek Janine Antoni Johan Kaspar Lavater Judeu Judeu Süss Kadiwéu kamikaze Konrad Lorenz Koons Ku Klux Klan Kurosawa Le Goff Leni Riefenstahl Livro Loucura Loura Lutero Madonna Magritte Manifesto Antropofágico Maquiagem Marilyn Monroe Marketing Máscaras Masculinidade Masumura Maternidade Matisse Max Ernst Merleau-Ponty Michel Foucault Mídia Militares Minorias Misoginia Mitologia Mizoguchi Morte Muçulmanos Mulher Mulher Gato Mulher Maravilha Mussolini Nascimento de Uma Nação Nazismo Nova Objetividade Nudez O Judeu Eterno O Planeta Proibido O Retrato de Dorian Gray O Show de Truman Olho Orientalismo Orson Welles Orwell Oshima Ozu Palestinos Panóptico Papeis Sexuais Papua Paul Virílio Pênis Perdidos no Espaço Performance Picasso Piercing Pin-Ups plástica Platão Pornografia Primitivismo Privacidade Propaganda Prosopagnosia Protestantismo Psicanálise Publicidade Purgatório Puritanismo Racismo Razão Religião Retrato Richard Wagner Rita Haywood Robert Mapplethorpe Rosto Sadomasoquismo Salvador Dali Sartre Seio Semiótica Sexo Sexualidade Shigeko Kubota Silicone Simone de Beauvoir Sociedade Sociedade de Controle Sociedade Disciplinar Sociedades Primitivas Sprinkle Stanley Kubrick Suicídio Super-Herói Super-Homem Surrealismo Tatuagem Televisão Terrorismo Umberto Eco Vagina van Gogh Viagem a Tóquio Violência Walt Disney Woody Allen Xenofobia Yoko Ono Yves Klein

Minha lista de blogs

Visitantes

Flag Counter
Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-No Derivative Works 3.0 Brasil License.